07/10/2022 às 09h22min - Atualizada em 07/10/2022 às 09h22min

Dia das Crianças anima Comércio para boas vendas

Projeção da CNC prevê que a data injete mais de R$ 8 bilhões na economia do país. Desafio é de convencer os consumidores a comprar.

dol
 

As vendas no comércio ainda não se recuperaram totalmente do efeito negativo provocado pela pandemia. Nas lojas, os comerciantes se esforçam para trazer os consumidores de volta e a esperança está no Dia das Crianças, no próximo dia 12, data que pode injetar na economia brasileira R$ 8,13 bilhões, segundo previsão da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Mesmo que o valor seja considerado robusto, a CNC ressalta que o varejo deve apresentar uma retração de 3,1% em relação ao ano passado, quando o setor registrou movimentação financeira de R$ 8,39 bilhões. Quem trabalha no Comércio de Belém tem constatado que os clientes têm aparecido cada vez menos às compras.

Cacau de Tomé-Açu é o único com indicação geográfica do Pará

Guerra? Coreia do Norte dispara míssil em direção ao Japão

“Temos observado, principalmente nos meses de agosto e setembro, uma redução significativa. Desse jeito precisamos nos reinventar na loja”, contou Larissa Soares, 26 anos. A gerente de uma loja de brinquedos detalhou as estratégias. “Oferecer ofertas ou combos de produtos, que pode sair mais em conta para uma família com várias crianças”, disse.

Embora os comerciantes estejam focados no Círio de Nazaré para gerar uma receita positiva no caixa das empresas, há uma certa expectativa para aumento das vendas na data dedicada às crianças, que pode chegar a 15% se comparado ao ano passado.

O otimismo neste ano tem como base o avanço da vacinação contra a covid. O exemplo é a autônoma Sandra Monteiro, de 67 anos, que aproveitou a tarde de ontem (3) para pesquisar e analisar os preços dos brinquedos. “Eu já comprei dois carrinhos para os meus netos, porém, estou buscando alternativas para presentear duas crianças próximas. Ano passado foi mais difícil sair para escolher, pois qualquer passo em falso era risco à saúde e preferi ficar em casa”, contou.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »