25/05/2017 às 21h11min - Atualizada em 25/05/2017 às 21h11min

15ª sessão da Câmara de Vereadores em 2017

A sessão foi marcada por explicações da secretaria de habitação e por indicações aprovadas ao executivo

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
A casa do legislativo canaense abrigou no início da noite da última quarta-feira, 24, a penúltima sessão do mês de maio. Um bom público se fez presente na casa de leis e o pleito teve início com uma belíssima apresentação dos alunos do 3º ano da escola Sementinha Feliz. Coordenadas por Edina Paula, as crianças fizeram um número em alusão ao dia 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração de crianças. O presidente da câmara vereador Junior Garra (PR) leu a triste história da garota Araceli Sanches que, com apenas 8 anos, foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e morta no dia 18 de maio de 1973. As crianças foram aplaudidas com entusiasmo pelo público presente.
 
Logo após a apresentação das crianças, o presidente abriu a discussão e votação das indicações ao executivo propostas pelo vereador Walter Diniz (PMDB) e pelo vereador Baiano do Hospital (PHS). A proposta do peemedebista, pede revisão urgente da Unidade Financeira Municipal (UFM) unidade de medida que indica todos os tributos municipais. Segundo o vereador, os impostos municipais são muito altos, já que são baseados em outro momento da economia local, quando a realidade era bem diferente. “Os tributos municipais atuais estão insustentáveis para a população” disse. O legislador lembrou ainda de bons exemplos de outros municípios em que as taxas são bem menores e ainda podem ser parceladas. A indicação foi aprovada de forma unânime pela casa.
 
Já a indicação do vereador do PHS, pede ao executivo a revitalização das nascentes e matas ciliares dos igarapés municipais. Baiano leu a proposta em tribuna com dificuldade. Na sequência, o vereador Junior Garra tomou a palavra e parabenizou o colega pela indicação e lembrou que já existe uma lei que obriga o repasse do ICMS verde para essa finalidade. “Sua indicação não sairá do papel enquanto o executivo não cumprir leis” concluiu. Wilson Leite (PDT) chamou de “brilhante” a indicação do colega de casa. A proposta foi aprovada com unanimidade e foi aplaudida pelos presentes.
 
Durante o grande expediente, Florisvaldo Junior, presidente da Associação Esportiva de Canaã, falou um pouco sobre a entidade que preside e entregou a Junior Garra um certificado de “amigo do esporte”. Na sequência, Erika Sobral, secretária de habitação do município, fez uma apresentação dos trabalhos da pasta que coordena. A gestora disse que o município tem tido avanços na questão das moradias. Sobre as casas desocupadas no Residencial Canaã, assunto bastante discutido em pleito, Erika falou dos bons números que a pasta tem tido, mas que mesmo assim algumas pessoas que não precisavam das casas conseguiram burlar a triagem. “Estamos fazendo uma série de ações para apurar isso e temos uma grande luta por justiça na distribuição dessas moradias” completou. Ela citou ainda alguns projetos promovidos pelo bairro.
 
Wilson Leite inaugurou a tribuna no grande expediente e rebateu o discurso da secretária. Segundo o vereador, o dinheiro para as casas é do Governo Federal e não do município. As casas que o município fez, diz ele, foram apenas 23 em 48 meses e isso, para o legislador, “é muito pouco”. “Se as pessoas conseguiram burlar o sistema de vocês, é porque houve falhas” concluiu.
O pedetista falou ainda sobre os incêndios em Brasília e da tormenta atual que o país vive. Outro que também rebateu as explicações da gestora, foi Baiano do Hospital, vereador esse que tem cobrado sistematicamente, nas últimas sessões, maiores explicações do executivo para as casas desocupadas. Aparentemente, o legislador não se convenceu com as explicações da secretária.
 
O vereador Gesiel Ribeiro (PHS) aproveitou o seu tempo de tribuna e também falou sobre a situação atual do país em uma breve reflexão. Já Vânia Mascarenhas (PDT) usou a tribuna e fez mais um dos seus discursos inflamados. A vereadora se posicionou de forma contrária à proposta do executivo que prevê redução no valor do plantão médico e foi aplaudida por alguns representantes da classe que vieram assistir a sessão. Vânia afirmou categoricamente que é oposição sim ao governo Jeová e cobrou dos colegas de partido um posicionamento também mais firme contra o executivo. A pedetista também deu uma bronca nos colegas vereadores que estavam dispersos durante a sua fala.
 
Maria Pereira (PDT) falou sobre a importância do combate ao abuso infantil e também usou o seu tempo de tribuna para falar da situação dos médicos. “O município não pode fazer dívidas para o povo pagar com a vida” afirmou. Ela cobrou ainda a prestação de contas do primeiro quadrimestre do executivo e pediu uma força tarefa no combate às drogas na cidade. Já Dionísio Coutinho (PSC) líder do governo na câmara usou o seu tempo para acalmar a classe médica presente. “Qualquer votação só será feita após conversa com todos vocês. Com o diálogo chegaremos a um denominador comum” falou.
 
Ao fim, já nas explicações pessoais, o presidente Junior Garra afirmou que não colocará em discussão o projeto de redução do valor do plantão sem o devido conhecimento dos médicos canaenses.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »