23/02/2018 às 00h43min - Atualizada em 23/02/2018 às 00h43min

Regularização fundiária é discutida em cerimônia pública em Canaã dos Carajás

O evento organizado pelo Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) reuniu centenas de pessoas e contou com a presença de diversas autoridades

Atila Penha - Jornal In Foco
Fotos: Atila Penha
Durante todo o dia desta quinta-feira (22) o ginásio Antônio chorão foi palco de uma grande discussão de interesse dos produtores rurais do município. O evento visou discutir e acelerar a regularização fundiária da região, já esperada há mais de 30 anos. Ainda em sua colonização na década de 80, mais especificamente em 1982, algumas famílias começaram a receber as terras em Canaã. Ao todo, 1.551 famílias foram assentadas pelo Grupo Executivo das Terras do Araguaia e Tocantins (GETAT) na região que na época ficou conhecida como Cedere II. O GETAT, três anos depois, em 1985, foi extinto regularizando a situação de poucas famílias.
 
Até então, em torno de 36 anos, milhares de famílias se estabeleceram dentro da região e até hoje sem sua regularização fundiária. Os produtores rurais vêm lutando para obter a documentação de suas terras e nesta quinta-feira (22) um importante passo para essa luta foi dado. O Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), junto à Prefeitura Municipal, em uma grande cerimônia, reuniu produtores que estiveram presentes em peso junto a diversas autoridades. Além de discutirem a regularização, também foi falado sobre o incentivo e a necessidade de se ter uma agricultura sustentável e alguns dos objetivos da ODS.
 
O prefeito em exercício Alexandre Pereira comentou sobre a principal discussão da evento: “A regularização fundiária até hoje não aconteceu. Várias pessoas vieram de muitos lugares do Brasil para cá e até hoje não têm o título definitivo delas. Tem gente que tem a sua terra há 34 anos e até hoje não teve a sua situação regularizada. É cruel, mas é a realidade. Precisamos de uma parceria com vários órgãos para acelerar a regularização fundiária nesse país e Canaã não é diferente." Alexandre ainda enfatizou "Se hoje todos estivessem com o título definitivo, tudo estaria bem melhor. Aqui nós temos terras férteis e espaço para todo mundo produzir. Essa convivência depende de todos nós.”


 
A representante do Governo Federal, Carmem Bueno, diretora do Departamento de Relações Político-Sociais da Secretaria de Governo da Presidência, disse que o debate envolve todos os lados, tanto governo como o estado: “É necessário uma atuação conjunta para atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis.”


 
Asdrúbal Bentes, superintendente do INCRA, também deu sua declaração sobre o evento: “Esse é um momento muito importante para a nossa região, muito importante para Canaã dos Carajás e todos nós. Espero que a senhora Carmem Bueno possa levar até a esfera federal a real impressão sobre a nossa região. Essa é uma região sofrida, mas o povo é trabalhador e anseia por essa regularização. Precisamos unir forças e ir atrás destas conquistas.”


 
Outro autoridade municipal presente no evento foi o presidente da Câmara Municipal, vereador Junior Garra: “A carência do produtor é enorme. Não é a falta de vontade de produzir. É a falta de incentivo! Gostaria de pedir que a senhora Carmem leve o nosso pedido de socorro ao Governo Federal. Precisamos disso para alavancar o desenvolvimento dessa região” declarou Junior.


 
A diretora do núcleo ODS de Canaã dos Carajás, Telma Marques, falou sobre a importância da regularização para se ter um incentivo na agricultura, principalmente para a realização da agricultura sustentável: “Aqui hoje está toda a sociedade unida por um objetivo. Daqui sairão encaminhamentos e esses serão, primeiramente, direcionados ao nosso âmbito estadual. A partir disso, nós temos condições de levar as nossas demandas até o âmbito nacional." Ela falou ainda da importância de se ter uma discussão pacífica." É importante que aqui saia esses encaminhamentos. Não é momento de conflitos e nem de apontar o dedo para ninguém, mas sim encontrar mecanismos para resolver a nossa situação. Não se fala em agricultura sustentável sem falar na regularização fundiária.”


 
Algumas autoridades municipais, como vereadores e os secretários Divino Sousa, Gean Meirey e Jurandir José, também estiveram presentes.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »