08/02/2022 às 09h06min - Atualizada em 08/02/2022 às 09h06min

Sudeste africano: 13 milhões de pessoas passam fome por causa da seca

ONU alerta que cenário pode piorar nos próximos meses

Agência Brasil

Treze milhões de pessoas estão passando fome na Etiópia, no Quênia e na Somália devido à seca no Sudeste Africano, a pior desde 1981, alertou hoje (8) o Programa Mundial de Alimentos (PMA) da Organização das Nações Unidas (ONU).

"A situação requer intervenção humanitária imediata e apoio contínuo às comunidades a fim de construir sua resiliência para o futuro", disse o diretor do PMA para a região, Michael Dunford.

Após três estações chuvosas consecutivas, mas com menos quantidade de chuva que o habitual, as colheitas de milhões de agricultores estão destruídas e muitos animais domésticos morreram, obrigando as famílias a abandonarem  suas casas e causando aumento dos conflitos intercomunitários.

"As colheitas foram destruídas, o gado está morrendo e a fome aumenta à medida que a seca recorrente atinge o Sudeste Africano", disse Dunford.

O PMA alertou que o cenário pode piorar nos próximos meses, pois as previsões são de que continuará a chover abaixo da média.

De acordo com o programa da ONU, as taxas de desnutrição são altas e continuarão a crescer se medidas urgentes não forem tomadas no sul e sudeste da Etiópia, sudeste e norte do Quênia e centro e sul da Somália.

O PMA teme crise humanitária como a que ocorreu em 2011, quando 250 mil pessoas morreram de fome na Somália, por isso insistiu que "é essencial a assistência imediata" para evitar essa calamidade.

O governo queniano identificou a seca como "emergência nacional" em setembro de 2021, e a Somália declarou "estado de emergência humanitária" um mês depois.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »