25/08/2021 às 17h13min - Atualizada em 25/08/2021 às 17h13min

Executivos depõem sobre não investir em siderurgia no Pará

O Pará é uma fonte imensa de riquezas exploradas pela mineradora Vale, porém o Estado é constantemente preterido quando o assunto é investir em indústrias de siderurgia. Os executivos da companhia tentaram explicar as razões na Comissão de Investigação Parlamentar (CPI) que investiga a mineradora na Assembleia Legislativa.

Dol
 

Há 3 meses, a Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) iniciou os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação da mineradora Vale no estado. Nesta quarta-feira (25), prestaram depoimentos dois executivos da empresa:  o presidente Executivo de Jurídico e Tributário da empresa, Alexandre Silva D’Ambrósio e de Marcello Spinelli, Diretor-Executivo de Ferrosos.

Assembleia oficializa CPI pra investigar a Vale no Pará

A convocação dos executivos foi mantida pelos deputados membros da comissão após a mineradora informar que os convocados não poderiam comparecer na oitiva, marcada para última terça-feira (17).

Em quase três horas, os executivos responderam aos questionamentos dos deputados membros da CPI sobre tributação, investimentos no estado do Pará e explicaram sobre a triangulação com a Suíça, Coreia e Ilhas Cayman.

Além disso, também foi questionado a escolha da Vale em fazer a verticalização em siderúrgica no Complexo Siderúrgico do Pecém, instalada, em 2016, em São Gonçalo do Amarante (CE) e não em cidades do Pará, de onde são extraídos os minérios, transportados e processados para o nordeste.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »