26/07/2021 às 11h19min - Atualizada em 26/07/2021 às 11h19min

Menino de 11 anos morre baleado quando brincava no Barreiro

Testemunhas afirmam que houve um tiroteio perto do local onde o menino Keyverson de Freitas Lima brincava, na esquina das passagens Caju e Umarizal

Dol

O Barreiro foi oficializado como bairro da capital paraense em julho de 1996. A área em torno do canal São Joaquim foi originalmente ocupada por pessoas que vieram de municípios do interior do estado.

O nome do bairro tem origem nas características do solo argiloso da região. O inchaço populacional, somado a poucas políticas sociais, faz com que o bairro seja cenário frequente de cenas violentas.

Criança de 2 anos que brincava na rua morre após ser baleada

Um menino de 11 anos morreu após ser baleado enquanto brincava pelas ruas do Barreiro, na noite deste domingo (25). De acordo com testemunhas, Keyvison de Freitas Lima andava de bicicleta por volta das 21h quando um tiroteio foi iniciado. O garoto foi atingido por um tiro pelas costas.

Keyvison foi baleado na esquina da passagem Caju com a passagem Umarizal. A bala perfurou um dos rins do menino, que foi socorrido e encaminhado à UPA da Sacramenta, onde o óbito foi confirmado.

O Projeto Social Escolinha do Barreiro, do qual Keyvison participava, publicou nas redes sociais uma nota de pesar pela morte precoce.

“Hoje Estarmos de luto no nosso Projeto Social Escolinha do Barreiro. Perdemos um filho, pois todas nossas crianças são como nossos filhos. Keyvison de Freitas Lima já participou de nossas atividades sociais e sempre em datas comemorativas estava presente conosco. Não vamos desistir vamos sempre combate à criminalidade e violência através do esporte, lazer e principalmente a cidadania. Que Deus proteja nossos filhos”. 

A reportagem do DOL solicitou informações à Polícia Militar, indagando a respeito de uma suposta operação da Polícia Militar que estaria sendo realizada no Barreiro na noite deste domingo. Até o momento, não obtivemos resposta.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »