20/12/2019 às 10h26min - Atualizada em 20/12/2019 às 10h26min

​Carne dispara 17,7% em dezembro e prévia da inflação fecha 2019 com alta de 3,91%

IPCA-15 acelerou para 1,05% em dezembro, maior taxa para o mês desde 2015.

- Jornal In Foco
G1
G1
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 1,05% em dezembro, mostrando forte aceleração em relação à taxa de 0,14% registrada em novembro, segundo divulgou nesta sexta-feira (20) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
"Este é o maior resultado mensal desde junho de 2018, quando o índice foi de 1,11%, e o mais alto índice registrado em dezembro desde 2015, quando foi de 1,18%", informou o IBGE.

No ano, o IPCA-15 acumulou alta de 3,91%, acima dos 2,67% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em dezembro de 2018, houve deflação de 0,16%.
 
Apesar da maior pressão dos preços neste final de ano, a inflação deve fechar o ano abaixo da meta central do governo para 2019, de 4,25%. A referência para o cumprimento da meta é o IPCA “cheio”, a ser divulgado somente em janeiro.
 
Preço das carnes disparou 17,71%
 
O preço das carnes disparou 17,71% em dezembro, representando o maior impacto individual no índice do mês (0,48 p.p.), quase a metade do IPCA-15 de dezembro. No acumulado no ano, a carne ficou 25,69% mais cara.
 
Dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados, apenas o de "artigos de residência" apresentou deflação (-0,84%) em dezembro. A maior alta foi no grupo "alimentação e bebidas", que avançou 2,59%.
 
 
Veja abaixo a inflação por grupos em dezembro e o impacto de cada um no IPCA-15:
 
Alimentação e Bebidas: 2,59% (0,63 ponto percentual)
Habitação: 0,25% (0,04 p.p.)
Artigos de Residência: -0,84% (-0,03 p.p.)
Vestuário: 0,09% (0 p.p.)
Transportes: 0,90% (0,16 p.p.)
Saúde e Cuidados Pessoais: 0,22% (0,03 p.p.)
Despesas Pessoais: 1,74% (0,19 p.p.)
Educação: 0,09% (0,01 p.p.)
Comunicação: 0,66% (0,02 p.p.)
Inflação da carne bovina contamina preços de frango e ovos
 
5 pontos para entender o aumento no preço da carne no mercado brasileiro

Preço da carne deve parar de subir, mas não cai, estima Ipea

Além das carnes, outros destaques de alta em dezembro foram alimentação no domicílio (3,62%), feijão-carioca (20,38%) e as frutas (1,67%).
 
Também ficaram mais caro dezembro itens como gasolina (1,49%), etanol (3,38%), passagens aéreas (15,63%) e jogos de azar (36,99%). A alta neste último item deve-se aos reajustes nos preços das apostas lotéricas, com vigência a partir do dia 10 de novembro.
 
Do lado das quedas, os destaques foram os itens de TV, som e informática (-2,09%), mobiliário (-1,16%) e energia elétrica (-0,12%). Entre os alimentos, houve queda nos preços da batata-inglesa (-9,33%) e cebola (-7,18%).
 
Perspectivas e meta de inflação

A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância varia de 2,75% a 5,75%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que está atualmente em 4,5% ao ano – mínima histórica.
 
Os analistas das instituições financeiras projetam uma inflação de 3,86% no ano, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central. Em 2018, a inflação foi de 3,75%.
 
Para 2020, a previsão é de uma inflação de 3,60%. No próximo ano, a meta central de inflação é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar entre 2,5% e 5,5%.
 
Inflação por regiões
 
A inflação acelerou em todas as regiões pesquisadas pelo IBGE. O menor resultado foi registrado na região metropolitana de Recife (0,60%), onde o impacto das altas foi mitigado em função da queda observada no custo da energia elétrica (-1,71%). Já o maior índice ficou com a região metropolitana de Belém (1,72%), influenciado pelas altas das carnes (18,89%). Em São Paulo, a alta foi de 0,88%.
 
Entenda o IPCA-15

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA (inflação oficial). A diferença está no período de coleta, além da abrangência geográfica. Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 12 de novembro a 11 de dezembro de 2019 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 12 de outubro a 11 de novembro de 2019 (base).
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »