29/09/2017 às 09h18min - Atualizada em 29/09/2017 às 09h18min

Público lota Casa da Cultura em uma noite de sonhos com o balé clássico da Companhia de Dança Pantanal

Casa da Cultura é sede do 1º Encontro da Rede de Cultura do Sudeste do Pará. Durante todo o dia, workshops foram realizados e à noite os bailarinos do Moinho Cultural fizeram belíssimas apresentações para uma plateia encantada

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
“Roda, roda, roda com os bracinhos no ar e não fica tonta nem sai do lugar. Põe no cabelo uma estrela e um véu e diz que caiu do céu. Esta menina tão pequenina quer ser bailarina”. Os versos de Cecília Meireles traduzem bem o sonho pela arte do balé. Dezenas de crianças sentaram-se no chão, em frente ao palco, e acompanhavam de olhos vidrados cada ato, cada ousado movimento que desafiava a gravidade, as luzes, as cores do palco... Logo atrás delas, centenas de adultos assistiam atônitos a arte e o drama trazido para terras canaenses. E, sem querer, o contraste, entre o sonho pulsante de balé das crianças e os sonhos esquecidos no passado pelos adultos, aconteceu. Na noite desta quinta-feira (28), a Casa da Cultura de Canaã dos Carajás trouxe, por meio do Instituto Moinho Cultural, a Companhia de Dança Pantanal e a certeza de que a arte é possível, muda vidas e que os sonhos de balé, outrora narrados pela poetiza Cecília, são viáveis.


 


Com casa cheia, o evento entrou para a história de Canaã. Pela primeira vez, uma apresentação de balé clássico veio às nossas terras. Alguns clássicos da dança mundial vieram à cena, entre eles, o famoso “Quebra Nozes”. Com muita emoção, os bailarinos formados pelo Instituto deslizaram pelo palco em complicadas séries de movimentos, divididos entre vários atos. A dança na ponta do pé lembrava à todos da beleza, da leveza e da força que a vida exige de cada um.


 
O evento, no entanto, começou bem cedo. Durante todo o dia, workshops foram realizados. O principal objetivo era a formação de uma rede intermunicipal de fomento à cultura na região sul e sudeste do Pará. Pessoas de várias cidades vizinhas estiveram presentes no debate na busca por resultados melhores na cultura da região. Na parte da tarde, a Casa da Cultura recebeu a ilustre presença de Marcia Rolon, diretora executiva do Instituto Moinho Cultural que tem sede na cidade de Corumbá, no Mato Grosso do Sul, já na fronteira do Brasil com a Bolívia.


 
O principal objetivo era a troca de experiências e o debate sobre o método educacional utilizado pelo Instituto na formação de novos artistas. Marcia explicou que o intuito da instituição, que fundou e dirige, é unir a música, a dança, a educação e a tecnologia para iniciativas na redução da vulnerabilidade de crianças e adolescentes. É a arte servindo como agente social e transformando a vida de milhares de pessoas para melhor. Segundo a diretora, a gestão e a metodologia do Moinho se baseia em três alicerces: o que se ama, o que se pretende e o que é possível.
 
A diretora da Casa da Cultura, Cátia Weirich, falou sobre o evento: “Na Casa da Cultura é a ´primeira vez que vem um espetáculo como este. Esperamos que seja apenas o primeiro de muitos que ainda virão. Futuramente, com certeza, teremos bailarinos de Canaã. E hoje temos um recorde de público aqui.”


 
Marcia Rolon lembrou que essa é a primeira turnê do Moinho e falou também sobre a satisfação pelo momento: “Em primeiro lugar, estamos muito felizes por estar aqui em Canaã. O projeto é encantador, trabalha com crianças do Brasil e da Bolívia. Quase 300 crianças passam por lá diariamente para aprender música, dança, tecnologia, a sonhar e a realizar. Eu sou uma sobrevivente da arte, precisamos acreditar em um mundo melhor para a criança e a família precisa estar envolvida nisso.”


 
A magia dos números clássicos foi substituída pela “agressividade” do balé contemporâneo. Com movimentos mais bruscos e, propositalmente, menos simétricos, a dança falou sobre os problemas sociais com muita categoria e propriedade. O evento, que aconteceu em parceria com a Fundação Vale, se estendeu até as 21:30 e, ao fim, a Companhia de Dança do Pantanal foi aplaudida de pé por uma plateia absolutamente encantada com as apresentações.


 
Conforme a fala de Marcia, o sonhar e o realizar precisam andar lado-a-lado. Em uma noite que tudo se mostrou possível, os rodopios do balé, em desafio à gravidade, nos fazem perceber que os desafios são grandiosos e que precisamos enfrentar cada turbulência, tal qual bailarina, na ponta do pé, com graça, leveza e força. Nada mais certo do que apostar nos sonhos das maravilhadas crianças e nada mais justo que permitir aos adultos o deleite de viver, de novo, os seus sonhos esquecidos sob os escombros do tempo. “Esta menina quer ser bailarina” e, no fundo, no fundo, quem não quer, Cecília?




 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »