24/07/2017 às 10h36min - Atualizada em 24/07/2017 às 10h36min

Série infantil 'Detetives do Prédio Azul' ganha versão cinematográfica

Lais Azevedo DOL - Diário Online
A presença de vários bruxos permite que um crime mágico “quase perfeito” condene o Prédio Azul a uma demolição de emergência. E diante de uma situação tão crítica, os produtores do grande sucesso do canal Gloob, “D.P.A. – Detetives do Prédio Azul” conseguiram um roteiro capaz de fazer a felicidade de duas gerações de crianças fãs da série infantil. Com direção de André Pellenz, “D.P.A. – O Filme” é estrelado pelo elenco atual da série, os pequenos detetives Bento (Anderson Lima), Sol (Letícia Braga) e Pippo (Pedro Henriques Motta), mas também traz de volta o trio original, formado por Caio Manhente, Letícia Pedro e Cauê Campos, que retomam os papéis de Tom, Mila e Capim, os detetives veteranos.

Além dos famosos personagens de Dona Leocádia (Tamara Taxman), síndica e feiticeira do Prédio Azul, a Vó Berta (Suely Franco), o porteiro Severino (Ronaldo Reis) e Theobaldo (Charles Myara), o filme conta com participações especiais dos sagazes bruxos Bibi Capa Preta (Mariana Ximenes), Temporão (Aílton Graça), Mari P. (Maria Clara Gueiros) e Jaime Quadros (Otávio Müller), tendo ainda a presença do misterioso Pietro Putrefatos (George Sauma). Todos estes são bruxos que chegam ao local para participar de uma festa na casa da sindica, onde toda a confusão começa. 

No enredo, além de enormes rachaduras que aparecem nas paredes do edifício, causando a necessidade de sua demolição, a temida síndica é enfeitiçada e fica boazinha da noite para o dia. Quando percebem que, ainda por cima, o quadro falante da Vó Berta desapareceu, as crianças passam a ter certeza de que algo está muito errado e precisam agir. 

Desta vez, eles vão precisar buscar pistas pela cidade do Rio de Janeiro, em um improvisado clubinho móvel: a Kombi azul do porteiro Severino, que topa participar da missão. 

“Nós estávamos muito ansiosos pelas cenas externas. Na série a gente nunca teve essa oportunidade. Todos os misteriosos casos são no prédio. E acho que o público também vai gostar”, comenta Pedro Motta, o “Pippo”, em entrevista ao Você. O diretor do filme, André Pellenz ainda destaca outra novidade para o elenco e os espectadores. “Pela primeira vez no cinema brasileiro, filmou-se em um submarino de verdade, operacional, navegando e submergindo, o que rendeu eletrizantes cenas de ação”, diz ele. 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »