19/11/2017 às 13h45min - Atualizada em 19/11/2017 às 13h45min

Dia da Consciência Negra é celebrado na Praça da Bíblia em Canaã

Noite cultural contra o preconceito acontece com capoeira, danças típicas, palestra e até batalhas de hip hop

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
Fotos: Ricardo Mesquita, Átila Penha e Kleysykennyson Carneiro
Canaã dos Carajás comemorou na noite deste sábado (18) o Dia Nacional da Consciência Negra. A data é celebrada em todo o país no dia 20 de novembro, mas foi antecipada para o sábado em virtude das apresentações culturais preparadas para a noite. O evento foi promovido pelo Movimento Afrodescendente de Canaã dos Carajás, em parceria com a Funcel, e aconteceu na Praça da Bíblia, contando com um bom público presente. Entre as atrações da noite, o grupo de capoeira Dandara Bambula e as batalhas de hip hop fizeram o público vibrar de emoção.


 
A professora Lira Cristina, especialista no assunto, fez uma emocionante palestra falando sobre a história negra ao redor do mundo. Citando ícones da luta negra, como Martin Luther King e Nelson Mandela, a professora lembrou das dificuldades enfrentadas e das conquistas adquiridas com o passar dos anos. A educadora falou sobre o evento realizado: “É importante ver a sociedade se organizar em praça pública em torno de uma causa tão importante, como a da negritude. Hoje a negritude passa muito mais do que valores da cultura africana e da cor da pele, ela está dento de cada um. O negro traz historicamente uma carga muito negativa imposta pelos senhores de engenho do Brasil, por toda uma herança cultura que temos e que precisamos desmistificar, entender que o Brasil foi construído com o suor e o sangue do negro. Todos nós, brasileiros, temos um pezinho na África. Não é só a cor da pele que te faz negro, mas tudo aquilo que está dentro de você. A data serve para que possamos pensar em como se portar diante dos preconceitos estabelecidos pela sociedade.”


 
O coordenador do ato na Praça, Junior Vaz, falou sobre o momento: “O Dia da Consciência Negra acontece em 20 de novembro, que é o dia da morte de Zumbi dos Palmares. Grupos de teatro, capoeira, literatura, danças, vão estar aqui expressando esse combate ao preconceito racial. Hoje nós daremos um grito a respeito da cultura afro, pois nós existimos e precisamos ser mais valorizados. Devemos combater esse preconceito que mata. Em todo o país, todos os anos, 700 negros morrem pela cor da pele. Todos nós, de certa forma, somos preconceituosos e precisamos lutar contra isso.”


 
O diretor da Funcel, Jander Fonteles, falou sobre a parceria do órgão para a realização do evento: “Esse é mais um evento com o apoio da Funcel, reúne pessoas que gostam, de fato, da cultura e é aberto a todos os públicos. Estamos com esse apoio e trazendo para cá toda a cultura do nosso estado, da nossa região e de todo o país.”


 
A comemoração começou cedo, por volta das 19 horas, e se estendeu até as 22 horas. No momento mais aguardado da noite, vários MC’s de Nova Ipixuna subiram ao palco e improvisaram rimas ao som da batida da hip hop. Nas batalhas, os garotos provocavam uns aos outros por meio do improviso nos versos. A noite de festa foi marcante para quem esteve lá e serviu como um alerta para o racismo que ainda insiste em existir na sociedade moderna.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »