26/10/2017 às 14h33min - Atualizada em 26/10/2017 às 14h33min

Paulinho Fonteles morre após infarto fulminante em Belém

Rita Soares
Diário do Pará

Após um infarto fulminante, morreu na manhã desta quinta-feira (26) Paulo Fonteles Filho, o Paulinho Fonteles, 45 anos, ex-vereador de Belém pelo Partido Comunista do Brasil (PC do B).

Paulinho era conhecido pela defesa de Direitos Humanos e estava internado há cerca de 15 dias, lutando contra uma broncopneumonia. A informação foi confirmada pelo seu primo, Ronaldo Araújo. De acordo com Ronaldo, ainda não há informações sobre velório e sepultamento. 

Nas redes sociais, muitas pessoas lamentam seu falecimento inesperado.

 

 

 

Para o presidente do PcdoB, Jorge Panzera, “Paulinho foi o irmão. Em que pese a dor da perda, quero que fique a beleza que foi a vida dele, uma vida que inspirava para a luta. Em tão pouco tempo, ele viveu tão intensamente”.

Recém-filiada ao PC do B, partido onde Paulinho Fonteles militou a vida inteira, a ex-governadora Ana Júlia Carepa disse estar devastada com a notícia. “A gente perde um companheiro, camarada de luta pela democracia”, disse chorando. Ana Júlia soube da notícia pelas redes sociais. “Vi pessoas postando e liguei para perguntar se era verdade que ele tinha infartado. Ouvi a notícia de que o perdemos”.

O ativista político era filho de Paulo Fonteles, professor, advogado e político do Partido Comunista do Brasil (PC do B), morto em junho de 1987. Eleito deputado estadual em 1982, ao denunciar diversas vezes na Assembleia Legislativa do Pará as listas de marcados para morrer (onde também estava presente), Fonteles atraiu cada vez mais a admiração dos setores das classes populares por sua atuação de oposição a latifundiários, em especial do sul do Pará e ligados à União Democrática Ruralista (UDR).

Em 1986 foi candidato à Deputado Federal Constituinte, mas não foi eleito. No final da manhã de 11 de Junho de 1987, às proximidades da entrada da Alça Viária, no município de Marituba, região metropolitana de Belém, foi executado com três tiros na cabeça. O crime em 2013 completou 30 anos e o principal acusado de ser o mandante do do assassinato até hoje está em liberdade, mesmo possuindo diversos processos contra si.

Despedida

O velório de Paulinho Fonteles ocorrerá a partir de 12h na Assembleia Legislativa a pedido dos deputados Lélio Costa e Carlos Bordalo. Apesar de ter militado quase toda sua vida política no PCdoB, entre 2007 e 2009 Paulinho Fonteles se filou ao partido do Trabalhadores.

Ele também era um dos membros mais atuante da Comissão da Verdade, que analisa crimes cometidos durante a ditadura militar brasileira. O sepultamento será amanhã, 10h, no cemitério Santa Izabel, no mesmo jazigo em que o corpo do seu pai está enterrado.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »