09/08/2021 às 18h00min - Atualizada em 09/08/2021 às 18h00min

Santa Casa do Pará realiza 1º cirurgia no fígado pelo SUS

Técnica oferece mais controle dos riscos de infecção e pode antecipar a alta em até metade do tempo

Dol
 

Pela primeira vez na história do Pará, um paciente será operado do fígado com a tecnologia de vídeo no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A cirurgia de hepatectomia videolaparoscópica aconteceu no início deste mês, na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará (FSCMP), em Belém, e foi realizada pela equipe especializada em fígado da Instituição.

Em comparação ao procedimento convencional, no qual se faz uma longa incisão abdominal, a hepatectomia videolaparoscópica se utiliza de instrumentos específicos e multiprofissionais treinados para, por meio de pequenos cortes e uma microcâmera, oferecer mais controle do perigo de infecção subsequente, acelerar a recuperação do paciente e antecipar a alta em até metade do tempo, inclusive com chance de dispensa da internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no pós-imediato.   

VEJA TAMBÉM!

“A realização dessas cirurgias complexas de fígado ,por um método minimamente invasivo, aproxima a Santa Casa dos grandes centros de referência e nos coloca na vanguarda da assistência a essas patologias. Mesmo no setor privado, são poucos os locais que dispõem desse tipo de abordagem”, aponta o responsável geral pelos serviços de fígado da Santa Casa, o médico Rafael Garcia. O médico complementa: “O método apresenta resultados com menos complicações e permite recuperação mais rápida do paciente”, diz.  

Cirurgião do aparelho digestivo, Garcia é presidente do Capítulo Paraense do Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestivo (CBCD), membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia Hepato Pancreato Biliar (CBHPB), membro da International Hepato-Pancreato-Biliary Association  (IHPBA), membro da International Liver Transplation Society (ILTS), membro da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) e supervisor da Residência Médica em Cirurgia do Aparelho Digestivo da Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), da Universidade Federal do Pará (UFPA) e Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH).

Paciente

O agricultor José Roberto Rosa, de 48 anos, vive na comunidade Jagarajó, às margens da Praia da Mangabeira, a 20km da sede do município de Ponta de Pedras, no Arquipélago do Marajó. A viagem para a capital Belém dura duas horas de barco pelos rios Pará e Guamá. O paciente mora com o irmão mais novo, Luciano Rosa, 37 anos, em uma propriedade com roças de subsistência de mandioca, maxixe e milho. “Se dá, a gente vai pra cidade vender maxixe, mas o grosso mesmo é para nossa alimentação”, esclarece Luciano. A família também pesca pescada amarela na praia, para consumo próprio.  

Com sequelas de paralisia infantil, José Roberto recebe um benefício do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Adulto, descobriu ser portador de cirrose, por conta do alcoolismo e também hepatite B.  “De repente minha barriga inchou, inchou muito, e logo foi o resto do corpo”, conta.

Havia parado por completo de beber quando começou o tratamento no Ambulatório do Fígado na Santa Casa, há quatro anos, pelo qual controla a hepatite B e monitora o quadro de cirrose.   

Em 2020, um exame de rotina acusou a presença de um câncer no fígado, associado à cirrose. O tumor, de três centímetros, foi extirpado durante a cirurgia.

De acordo com o médico Rafael José Romero Garcia, a cirurgia do câncer é curativa em torno de 70%: “A cirurgia teve uma evolução positiva e durou duas horas, o tumor foi retirado e o paciente ficou menos de 24h na UTI. Ele terá alta nesta quinta-feira (09) e em duas semanas poderá retomar suas atividades habituais”, explica o cirurgião, que reforçou que a intervenção diminui a chance do paciente precisar de transplante no futuro.

José Roberto confia bastante nas orientações e prescrições que recebeu na Santa Casa e se sente animado e esperançoso com o resultado da cirurgia e disse que já sente uma melhora. "Tô me sentindo bem. De vez em quando eu sentia uma dor na barriga e agora não sinto mais. O doutor Rafael já veio aqui falar comigo e disse que está tudo bem. Logo estarei em casa e tenho certeza de que vou melhorar minha disposição, superar essa fraqueza que me acomete”, anseia.  

Uma outra vantagem da técnica de cirurgia por vídeo é que, no caso de pacientes com cirrose, há uma considerável redução do risco de descompensação da inflamação.

Referência

A Santa Casa é referência Estadual em tratamento de doenças hepáticas desde 2012, com certificação do Governo Federal. Depois de inaugurar uma enfermaria exclusiva para esse tipo de atendimento, em 17 de junho deste ano, o Hospital deve iniciar transplantes em agosto, a partir de indicação, em 2019, pelo Ministério da Saúde (MS), como Centro de Transplante de Fígado do Estado.  

A primeira hepatectomia videolaparoscópica inaugura o acesso de qualquer paciente da Santa Casa à tecnologia, a depender de indicação clínica. “Vamos ampliar as indicações para cirurgias maiores”, informa Rafael Garcia.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »