13/10/2017 às 22h20min - Atualizada em 13/10/2017 às 22h20min

Coordenadora do grupo Mães Que Oram pelos Filhos em Canaã participa do Programa Católico Ave Maria na Correio FM

Na ocasião, Luana Lourinho falou sobre a história do grupo e as ações feitas na cidade

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
Fotos: Ricardo Mesquita
O grupo Mães que Oram pelos Filhos existe desde 2011, quando foi criado por iniciativa de jovens mães católicas da Paróquia de São Camilo de Lélis, em Mata da Praia, Vitória no Espirito Santo. A ideia inicial era buscar ajuda e orientação para a educação religiosa dos filhos e aprender a interceder por eles. A causa, no entanto, ganhou proporções bem maiores e o grupo começou a promover verdadeiras campanhas em favor de várias causas sociais, como a recuperação de jovens do mundo das drogas.
 
Em Canaã, o Mães que Oram teve início em julho deste ano e com apenas quatro meses de existência já conta com os ministérios de oração e intercessão pelos filhos muito bem definidos e encaminhados. Ao todo, o grupo tem 12 componentes fixas e se reúne algumas vezes durante a semana para as orações e intercessões.
 
Nesta sexta-feira (13), a coordenadora do grupo na cidade, Luana Lourinho, participou do Programa Católico Ave Maria, da Rádio Correio 88,5 FM. A entrevista aconteceu no comecinho da noite e foi transmitida ao vivo para milhares de expectadores da rádio. Na ocasião, Luana explicou como surgiu a ideia de trazer o grupo para Canaã: “Eu sempre quis me dedicar mais às obras da igreja. Há alguns meses, vi as fotos dos jovens que chegaram do Segue-me e fiquei emocionada. Naquele momento senti que deveria fazer algo mais por esses e outros filhos. Eu já conhecia a iniciativa e aí surgiu a ideia.”


 
Ainda sobre o grupo, Luana falou: “Somos mães que oram e buscam crescimento espiritual. Os encontros se dividem em três momentos: o terço, o oracional e a formação da catequese católica. O grupo é simples, direto, sem rodeios e estamos orando e intercedendo por nossos filhos.”


 
Quem também participou do bate-papo foi o diácono Miguel e ele deu a sua opinião sobre o grupo: “Sabemos do potencial intercessor que as mães têm. Que as outras paróquias façam isso também. Parabéns pela iniciativa! Quem sabe dessas intercessões não sairão sacerdotes?” O religioso ainda sugeriu que o grupo realizasse visitas em hospitais às mães que estão com seus filhos doentes.


 
Luana explicou que o Mães que Oram começará em breve um projeto de visitar outras comunidades uma vez por mês para levar as orações e intercessões até lá. O grupo de mães católicas cresce a cada dia e leva consigo a marca do clamor a quem mais se ama.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »