06/08/2021 às 08h54min - Atualizada em 06/08/2021 às 08h54min

SEU BOLSO Fazer compras em feiras livres pode ser vantajoso

É necessário se atentar a qualidade do produto, que é diferente no inicio e no fim do dia.

Dol
 

A babá Rosiana Campos, 45 anos, não abre mão da famosa lista de compras. E a folha com as anotações a acompanha tanto quando vai a feira, quanto ao supermercado. É esta lista que a ajuda a comprar somente o que precisa e anotar os preços dos alimentos. “A lista me acompanha toda vez que saio para fazer compras e a atualizo com os preços das mercadorias em cada estabelecimento. Depois é só verificar onde está mais em conta e comprar”, disse.

Rosiana foi à feira do bairro da Pedreira, onde já tem barraqueiros em quem confia. “Mas, olha, é importante lembrar que quem quer economizar não tem que vir com pressa, do contrário não pesquisa, e compra no mais caro”, ressaltou. Questionada sobre o que sai mais em conta comprar na feira, ela responde sem rodeios. “Frutas, verduras, legumes, farinha e alguns temperos”, destaca a babá.

Para o comerciante Nildo Moreira, 42, comprar na feira é mais vantajoso. “E não é porque eu trabalho na feira que digo isso. Eu digo porque na feira tem muito mais variedades, principalmente para quem quer consumir alimentos no dia”, enfatiza. “Num supermercado você nunca consegue comprar um abacate maduro, pronto para ser consumido. Ele é vendido verde e o consumidor precisa esperar dias. Na feira encontra a fruta já para consumo e também para ser consumida dentro de alguns dias”, exemplifica.

Nildo diz que é importante já saber o que quer. “Eu sempre ajudo os meus clientes. Quando pedem banana, por exemplo, eu pergunto logo se querem que a fruta dure quantos dias, porque tem pencas que vão durar até sete dias na casa deles. Outras não vão durar a metade. A pessoa precisa saber o que quer, por quanto tempo quer que dure para poder saber se a compra está sendo vantajosa ou não”, prossegue.

A pechincha também entra no negócio. “Eu estou aqui para vender”, sinaliza. “Quem vem querendo negociar, querendo desconto, a gente negocia, faz promoção, desde que eu não perca o cliente e nem dinheiro. Lembro sempre que eu vivo da campanha boca a boca, então preciso que o cliente espalhe que eu tenho o menor preço e o melhor produto”, completa. Feirante há 30 anos, Nena Cardoso, 53, é dona de uma barraca onde vende diversos tipos de farinha. “É a cara da feira paraense. E no supermercado ninguém consegue a variedade de farinhas que encontra nas feiras. Sem contar que na feira é mais barato também”, disse.

ECONOMIA

Segundo a educadora financeira Ana Ferrari, quem opta por supermercado, vai encontrar certa comodidade e ambiente climatizado e certamente esse conforto vai impactar no preço dos produtos, mas nada que extrapole o orçamento dos clientes. “Os preços estão mais acessíveis nos dias específicos na semana, como por exemplo, terça verde (promoções no setor de hortifrúti)”, aponta como uma das vantagens.

“A feira tem suas vantagens quando se faz bem no final, mas a qualidade dos alimentos não é a mesma do início do dia”, disse Ferrari, a se referir quem prefere ir à feira na hora da xepa. “No fim do dia os comerciantes estão mais propícios a negociar para não ir embora levando muita mercadoria ou perdendo muita mercadoria, principalmente os alimentos mais perecíveis”, ressalta.

A especialista orienta que os consumidores levem dinheiro trocado, principalmente moedas na hora de ir à feira. Isso vai ajudar na hora de pechinchar. “Levando o dinheiro trocado e em espécie conseguimos levar mais produtos e pedindo desconto. O que deve ser praticado sempre”, frisa.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »