16/01/2020 às 14h03min - Atualizada em 16/01/2020 às 14h03min

​Governo altera regimento interno da Comissão de Mortos e desaparecidos; para ex-presidente do órgão, é o 'fim das atividades'

- Jornal In Foco
G1
Foto: Reprodução
O novo regimento interno da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP), publicado nesta quinta-feira (16) no "Diário Oficial da União" (DOU), leva ao “fim das atividades da comissão”, na avaliação da ex-presidente do colegiado Eugênia Augusta Gonzaga Fávero.
 
“[O novo texto] representa o fim das atividades da CEMDP, sem dar respostas sobre localização de corpos para as famílias”, afirmou Eugênia Gonzaga, que também é procuradora regional da República.
 
O regimento, que começou a ser elaborado em setembro e foi divulgado nesta quinta, passa a dispor, por exemplo, que a busca de corpos de desaparecidos políticos será feita apenas mediante requerimento expresso de cada família. Segundo Eugênia, o entendimento da cúpula do colegiado sempre foi o de que é “dever do Estado entregar o corpo”.
 
“Sempre se considerou que é um direito que cabe à família pedir ou não o corpo do parente desaparecido. Mas nunca se considerou que depende de pedido da família, porque é dever do Estado entregar o corpo. A gente está falando de um dever. Isso realmente é muito grave. Eles precisam dizer quem vai fazer essa busca”, afirma.
 
A comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos foi criada durante o governo Fernando Henrique Cardoso, e tem, entre outras finalidades, a de localizar corpos de mortos e desaparecidos políticos – especialmente do período da ditadura militar (1964-1985).
 
Conselho do MPF veta indicação de Bolsonaro para comissão sobre mortos na ditadura
 
Atestados de óbito

Substituída pelo atual presidente da Comissão, Marcos Vinicius Pereira de Carvalho, após decreto do presidente Jair Bolsonaro de agosto do ano passado, Eugênia explica que o novo regimento também revogou resolução que obrigava a emissão dos atestados de óbito desses mortos e desaparecidos políticos.
 
Segundo a procuradora, foi retirado também o reconhecimento da “causa mortis” do documento, medida determinada pela Comissão Nacional da Verdade (CNV) para impor ao Estado a responsabilidade.
 
A ex-presidente da comissão também afirma que o novo regimento interno não dispõe sobre medidas de memória e verdade ou qualquer outra forma de reparação imaterial aos danos eventualmente causados pelo Estado à sociedade, relativos ao período da ditadura militar.
 
O que diz a Comissão

Em nota divulgada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, pasta à qual a comissão está vinculada, o presidente da CEMDP, Marcos Vinicius, explica que o novo regimento está “corrigindo irregularidades que vinham sendo praticadas com base no regimento anterior, mas que não estavam previstas na lei de regência”.
 
Na nota, a Comissão explica também que o novo regimento “deu fim aos procedimentos adotados erroneamente pela comissão, como emitir atestado de óbito, o que não é uma atribuição do colegiado”.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »