13/08/2017 às 00h03min - Atualizada em 13/08/2017 às 00h03min

Injustiças a parte, ser pai é alvorecer para a vida

As homenagens às mães são mais do que merecidas, mas para ser bem justo os pais merecem também textões, homenagens nas timelines, presentes caros e amor.

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
Começar certos textos dá muito trabalho e esse está dando mais trabalho do que o esperado inicialmente. Talvez pelo fato de que fazer uma homenagem para o dia dos pais se tornou tarefa das mais difíceis, já que não é mais sobre falar apenas para o meu pai, ou para o pai dos outros, mas sim falar também para mim. Talvez tenha vindo daí a ideia do “alvorecer para a vida”, já que foi essa a impressão que tive quando Maria e Raul vieram ao mundo. A ideia inicial é que fizéssemos um texto jornalístico para a data, mas admito que as palavras saídas daqui são mais pessoais do que o combinado. Como ser jornalístico e imparcial quando se fala da subjetividade do amor? Achei melhor ir rabiscando o papel, ver no que dá e torcer para que as palavras saiam da maneira correta.

 
Aelson Carneiro, filhas e esposa     

Comemorar o dia das mães é justíssimo. Essa é, inclusive, a segunda data comercial mais rentável do ano. A felicidade e a gratidão pelas mulheres responsáveis pelo dom da vida ficam estampadas, em maio, nas timelines eternas do Facebook e Instagram; é bonito de se ver. Já quando o caso é agosto, o mês dos pais, as homenagens existem, mas não são, nem de longe, feitas com a mesma intensidade. O porquê? Não sei! E ficar falando sobre isso é cair quase no clichê, portanto essa reflexão acaba aqui nesse parágrafo. E fica a tarefa para cada leitor: elaborar um textão em homenagem ao seu pai e postar em todas as suas redes sociais, só para ser justo, tá?
 
Injustiças a parte, ser pai é alvorecer, de fato, para a vida. É cair na real que as fraldas são caras, precisam ser trocadas e isso não é tarefa apenas para a mãe. Um pai, de verdade, aprende, para poder ensinar depois, o tempo certo para cada coisa. Os medos passam a ser outros, as certezas e as incertezas também. A paternidade é o renascer do homem na busca pelo encontro de si mesmo, é a trilha do ser pelo caminho até a sua própria identidade, é o desembocar suas águas em mares mais profundos. Quem é pai não se perde nunca mais.

 

Mayko e Maria Clara                                                                                    
 
Um pai sempre segue em frente e jamais se conforma com as derrotas que, vez por outra, a vida traz. Quem entra nessa batalha, só sacode a poeira dos ombros e recomeça a jornada outra vez sempre que for necessário. A vida não para jamais. Só quem tem em si a tarefa desse ofício sabe do sentimento ambíguo de desejar que o filho cresça para se tornar os sonhos e, ao mesmo tempo, lamentar o curso inexorável do tempo. Os filhos vão crescendo e esse ciclo é imparável.

Já não dá mais para aceitar o conceito arcaico da paternidade, que pregava uma participação menor do homem na criação dos filhos. Há, até, o “Padrão Rodrigo Hilbert” de qualidade, mas quem já é pai de verdade há muitos anos, sabe que independente de modas ou padrões, os filhos precisam do amor paterno, tanto quanto do materno.



Secretário Jurandir e seus filhos


Homenagens
 
A estudante Yankara Monteiro falou um pouco sobre o seu pai, Francisco Rocky-Iane Monteiro: “Não existe pai mais perfeito, nem homem mais exemplar e admirável que ele. Feliz dia dos pais, amo você!


Yankara e seu pai Francisco
 
Já o microempresário Pablo Carneiro, é mais despojado na homenagem ao seu pai Ailson: “Nesse dia tão especial, eu só quero dizer que o ‘Ailsão’ é um verdadeiro mito. Te admiro e sou seu fã até o fim. Te amo, pai!”


 
O jornalista Maurício Motta falou um pouco sobre o oficio da paternidade: “Ser pai é algo especial. É inexplicável a responsabilidade de ser o provedor do futuro de alguém, cuidar, ensinar, proteger. Quando meu filho nasceu, a emoção e a adrenalina tomaram conta de mim, não consegui conter o pranto. Ser pai, é tentar ser o melhor todos os dias, para que meu filho tenha sempre o melhor também.”


Maurício e Marco Antonio 
 
Mario Sérgio é pai da Deise, que acabou de fazer 18 anos. Ele falou um pouco sobre essa emoção: “É a satisfação pelo dever cumprido de saber que conseguimos, na escalada da vida, ver a Deise já criada, mesmo depois de tantas dificuldades e lutas para chegar até aqui. A nossa criança hoje está com 18 anos, tornando-se independente, começando a ser dona das suas próprias decisões, mas para tudo isso teve um preço e a sensação é essa: a de dever cumprido.”


Deise e Mario Sérgio
 
E se ter um pai é bom, imagina dois? A estudante Iana Araújo explicou que, além do pai biológico, tem o senhor Antônio Araújo, que dedicou os seus anos na sua criação e dos seus irmãos. O amor pelos dois, segundo Iana, é o mesmo. O senhor Antônio, mesmo nervoso, falou um pouco sobre a missão de ser pai: “Para mim, foi um prazer e satisfação criar todos os meus filhos. Apesar de não serem legítimos, eu os criei como se fossem e sou muito grato a Deus por tê-los ao meu lado. Hoje já estão criados, não me dão trabalho e eu os amo muito. Quero desejar a todos os pais de Canaã um feliz dia!”

 

Iana, Antonio Araújo e a pequena Júlia

Devo discordar do senhor Antônio em sua fala: todos eles são seus filhos legítimos, sim! Mais do que laços de sangue, a paternidade se faz com laços de amor e isso o senhor tem de sobra, senhor Antônio.
 
O proprietário do Jornal In Foco, Ricardo Mesquita, explicou em algumas palavras a emoção de ser pai do João: “É uma coisa maravilhosa. Quando eu tive a notícia de que me tornaria pai fiquei um pouco assustado, mas um amigo me disse certa vez que a paternidade era uma dádiva de Deus e, como o João chegaria em breve, disse que Deus me abençoaria muito e, de fato, o ano em que o João nasceu foi maravilhoso. Eu só tenho mesmo é de ser grato ao Senhor pelas bênçãos que Ele me proporcionou. Mas ser pai não é só isso: o pai precisa ser responsável, estar junto aos filhos, muito presente em qualquer situação do cotidiano. O dia dos pais, por tudo isso na minha vida, é fantástico.”


Ricardo Mesquita e João Gabriel


Pai de Ricardo Mesquita, mãe e afilhada

 
E eu? Bom, tenho desejado há mais de 20 anos um feliz dia dos pais ao homem mais incrível que conheço, o senhor Aeston Carneiro. Esse ano não podia ser diferente. Agosto após agosto, a minha gratidão se renova e o amor também. Acho que o amor de pai é do tipo que só aumenta com o passar dos anos e o meu é um infinito que só se expande. Criar 4 filhos não é uma tarefa das mais fáceis, e o meu pai a fez com total propriedade. Graças a essa criação exemplar e carinhos eternos, eu tento ser o melhor a cada dia para a Maria e para o Raul.


Kleysykennyson Carneiro e Aeston Carneiro

 
Esse ano, pela primeira vez, pude ouvir os meus filhos cantando uma música em homenagem a esse dia que, já há cinco anos, também é o meu. Não contive as lágrimas e a alegria em mim foi feito o sol que chega manhã após manhã. Há cinco anos alvoreci para a vida e entendi o que é verdadeiro amor.


Maria e Raul
 
E eu, que sempre tive medo de me encontrar, entendi que nunca mais vou me perder, pois agora sei que já não falta mais nada.


Confira todas as fotos na nossa galeria.
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »