10/08/2017 às 03h35min - Atualizada em 10/08/2017 às 03h35min

Indicações ao executivo e debate sobre empregabilidade marcam a 22ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
Aconteceu nesta quarta-feira (09) a 22ª Sessão Ordinária do legislativo canaense em 2017. O público compareceu e lotou a casa de leis do município. À exceção da vereadora Vânia Mascarenhas (PDT), todos os legisladores estiveram presentes. A sessão, apesar de longa, transcorreu de maneira tranquila, ao contrário da anterior, onde os ânimos estiveram exaltados. Um burburinho percorreu as redes sociais nos dias que antecederam a sessão, tudo por conta das manifestações feitas por trabalhadores desempregados em frente ao SINE durante toda a semana. Em pauta, um projeto de lei de iniciativa popular que prevê a obrigatoriedade da contratação de mão de obra local pelas empresas prestadoras de serviço para a Vale.
 
Um grupo esteve presente na manhã do mesmo dia para a entrega de um abaixo-assinado com mais de 1000 assinaturas pedindo a criação do projeto de lei. Os manifestantes, de forma organizada e pacífica, entregaram o documento nas mãos do presidente Junior Garra (PR) que fez questão de exaltar a qualidade do manifesto durante sua fala no grande expediente: “Eu gostaria de parabenizar ao movimento do Fagner Super pela organização do protesto feito. Conversamos durante a manhã e informei a eles que já existe um projeto semelhante tramitando na casa, de minha autoria. Vamos juntar forças para conseguir aprovar isso.”


 
O presidente lembrou ainda que durante todo o seu primeiro mandato e no início deste, vem lutando pela valorização da mão de obra local por parte da Vale e que, com um projeto deste tipo aprovado, caso haja descumprimento da lei por parte das empresas, o poder legislativo teria autonomia para recorrer ao Ministério Público. Segundo o presidente, é importante ter coragem e iniciativa para lutar por melhorias para a classe.
 
Junior Garra falou também sobre o projeto “Meu Primeiro Emprego” que, de acordo com o legislador, será apresentado no início de setembro e prevê o auxílio aos jovens para encontrar a primeira vaga no mercado de trabalho. Garra criticou ainda a fala de algumas pessoas que dizem fazer parte da imprensa, mas que não possuem conhecimento para tanto.
 
Também durante o grande expediente, o vereador Rael da Marcenaria (PHS) aproveitou o gancho deixado pelo presidente e utilizou seus 10 minutos para criticar alguns falatórios infundados nas redes sociais. Mostrando revolta, o vereador desafiou: “Se o vereador Rael estiver roubando, vá ao Ministério Público e denuncie!” Ainda durante o seu tempo, o legislador pediu mais investimentos na segurança e o apoio do povo para construir uma Canaã melhor.


 
Já Baiano do Hospital (PHS) pediu um minuto de silêncio pela morte do jovem Marcos Paulo, vítima de um acidente de trânsito há 12 dias. O vereador fez duras críticas à demora do atendimento do jovem pelo SAMU.
 
Wilson Leite (PDT) prestou contas da visita que fez na última semana à Belém para buscar, junto ao governador do estado, melhorias para Canaã. O pedetista aproveitou o seu tempo para dizer que acredita que o governo não está em crise: “Se o município está contraindo gastos, é porque não está em crise” disse em referência ao valor do aluguel mensal das lombadas eletrônicas. O vereador fez questão de ressaltar que não faz oposição ao governo: “Se eu fosse oposição, eu seria bem pior! Enquanto eu for parlamentar, a população vai saber o valor de cada obra” concluiu.


 
O vereador João Batista (PT) usou a tribuna para falar sobre alternativas econômicas para o desemprego local. Em sua fala, o petista lembrou da merenda escolar que anualmente leva bastante dinheiro embora por não haver produtores locais para suprir a demanda. O fomento à agricultura foi a alternativa apresentada para enfrentar a crise.
 
Já o legislador Gesiel Ribeiro (PHS) falou sobre sua presença no SINE durante o protesto ocorrido na última sexta-feira (04) e disse que foi mal interpretado na ocasião por algumas lideranças que criticaram a sua ação. E afirmou, enfaticamente, que sempre estará no lugar em que o povo estiver.
 
Anderson Mendes (PTB) apoiou a fala de João Batista e ressaltou a importância da valorização da agricultura, do comércio e da mão de obra local. Ele lembrou ainda da importância de criar alternativas através da piscicultura e da pecuária.
 
Walter Diniz (PMDB) usou o seu tempo de tribuna para criticar o projeto de iluminação pública que pretende substituir as lâmpadas atuais por lâmpadas de LED. De acordo com o legislador, o projeto contém alguns erros e fez duras críticas à “preguiça” do setor jurídico da prefeitura.


 
 
Indicações ao executivo
 
Durante o pequeno expediente da sessão, seis indicações ao poder executivo foram aprovadas de forma unânime.
 
Indicação 048/2017 – De autoria do vereador Rael da Marcenaria, pede ao poder executivo que asfalte o bairro Jardim Florido.
 
Indicação 066/2017 – De autoria do vereador Walter Diniz, pede que o executivo reforme e aumente a quantidade de banheiros na escola João Nelson.
 
Indicação 067/2017 – De autoria do vereador João Batista, pede que o poder executivo proceda, em regime de urgência, a implantação de um posto de saúde, asfalto e rede de água na Vila Jerusalém.
 
Indicação 068/2017 – Pede que o poder executivo faça a perfuração de um poço artesiano no Bairro Maranhenses.
 
Indicação 069/2017 – De autoria do vereador Wilson Leite, pede que o executivo instale a iluminação pública na avenida Antônio Carola e que construa retornos ao longo da via.
 
Indicação 071/2017 – De autoria do vereador Dionísio Coutinho, pede ao executivo que adquira um terreno localizado ao lado da Escola Teotônio Vilela, na VP-20, para a construção de um ginásio de esportes.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »