10/09/2019 às 10h43min - Atualizada em 10/09/2019 às 10h43min

Faminta, Argentina derruba a favorita Sérvia e segue na briga pelo título da Copa do Mundo

Hermanos contam com atuação ótima de Scola, Campazzo, Garino e Laprovittola para tirar do caminho um dos favoritos do torneio na Ásia, um dia após conquistar vaga olímpica

- Jornal In Foco
Globo Esporte
A vaga olímpica não é o suficiente para a Argentina. Com uma geração talentosa, cascuda e sem medo de jogar, os hermanos foram até Dongguan e derrubaram ninguém menos do que a Sérvia, avançando às semifinais da Copa do Mundo e garantindo ao menos a briga pela medalha de bronze na China. Com o incansável Luis Scola, Garino, Campazzo e Laprovittola em dia iluminado, eles venceram por 97 a 87 e eliminaram a seleção que para muitos era a única capaz de bater os Estados Unidos, a Sérvia de Jokic, Bjelica, Bogdanovic e cia, também favorita à taça.
 

Com o Brasil fora da Copa do Mundo, a Argentina já estava classificada para a Olimpíada de Tóquio ao lado dos Estados Unidos. O torneio distribui sete vagas para os Jogos, sendo dois para as Américas. Irã, Austrália e Nigéria também estão garantidas. Mas nem por isso o time entrou sem sede. Em 40 minutos, só esteve uma vez atrás do placar. Com um aproveitamento impressionante nas bolas de três pontos e transição rápida, a Argentina matou a pesada Sérvia em Dongguan.
 
Vale lembrar que a Argentina não é campeã da Copa do Mundo desde a primeira edição do torneio, em 1950, quando sediou a competição. Em 2002, a equipe foi prata ao ser derrotada pela Iugoslávia. Agora, no meio de uma troca de gerações, mostra que a modalidade segue forte no país.
 

Campazzo e Laprovittola jogaram muito na classificação argentina — Foto: Divulgação/FIBA
 
 O jogo

Com muita energia nos três primeiros minutos, a Argentina abriu 12 a 4 em chute de três do imortal Luis Scola. Antes, Campazzo já havia achado uma assistência plástica para Delia. Aumentando a pressão na defesa, a Sérvia reagiu, e Jokic chegou aos cinco pontos para igualar em 16 a 16 faltando três minutos. Argentinos e Sérvios brigavam por cada bola. Na defesa, Lucic deu toco em Scola, que reclamou de falta. Em seguida, a arbitragem deu falta de Campazzo em lance polêmico. Sergio Hernandez, técnico hermano, foi reclamar e levou falta técnica. Os argentinos fecharam na frente por 25 a 23.
 
Apesar de favorita no papel, a Sérvia sofria com o jogo de transição rápida da Argentina. E os hermanos voltaram a ter boa vantagem após bola de três de Nico Laprovittola: 35 a 28. Tentando acelerar o jogo, a Sérvia foi para cesta e falta com Nikola Jokic, que chegou aos oito pontos. Mas a Argentina não diminuía o ritmo. Garino, em bola de três, ampliou de novo, colocando 42 a 34, deixando seu país com nove bolas de três e 56% de aproveitamento. Apostando mais no jogo de garrafão, a Sérvia contava com Jokic com bom aproveitamento. Com ele, o time conseguiu ir para o vestiário perdendo por menos, com 54 a 49.
 

Luis Scola foi o cestinha do jogo, com 20 pontos — Foto: Divulgação/FIBA
 
 Nos primeiros quatro minutos do terceiro período, a Argentina se manteve na ponta com Scola e Garino. O placar era de 63 a 59. Ao reclamar de uma falta no ataque, o técnico sérvio levou uma técnica do árbitro brasileiro Cristiano Maranho. Bogdanovic e Bjelica, com 13 pontos cada um, mantinham a Sérvia no jogo, trazendo o revés para 66 a 65 nos três minutos finais do terceiro período. Com a partida indefinida, Argentina e Sérvia foram para os dez minutos finais com os hermanos vencendo por 68 a 67.
 
Guduric, em bola de três, colocou a Sérvia na frente pela primeira vez desde o começo do jogo: 70 a 68. A resposta não demorou. Garino chegou aos 13 pontos e com sua terceira bola de três, virou. Campazzo veio na mesma moeda, colocando 74 a 70. A pressão sérvia, de um time mais alto, sucumbia com a movimentação dos hermanos, que seguiam acima dos 50% nas bolas de três. Incansável, Scola foi para quatro pontos seguidos. Faltando cinco minutos, a Argentina abriu 78 a 73. Laprovittola e Campazzo também brilhavam. Com nove pontos de frente nos minutos finais, os hermanos venciam por nove. Desesperada, a Sérvia tentou acelerar o jogo, mas errou. Campazzo chegou aos 16 pontos e dez assistências. Scola tinha 18. E Garino, 15 pontos. Deck, em contra-ataque, cravou, abrindo 95 a 85 nos 48 segundos finais. A vitória foi hermana. E eles seguem na briga pela taça: 97 a 87.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »