14/06/2019 às 09h35min - Atualizada em 14/06/2019 às 09h35min

Cidades brasileiras têm transporte público parcialmente parado e protestos nesta sexta-feira

Mobilização foi convocada contra cortes na educação e a reforma da Previdência. Por volta de 9h, ao menos 20 estados e o DF tinham sido afetados.

- Jornal In Foco
G1
G1
Cidades brasileiras registram protestos e paralisações em serviços públicos na manhã desta sexta-feira (14). Trabalhadores cruzaram os braços contra os cortes do governo na educação e a reforma da Previdência. Por volta de 9h, ao menos 20 estados e o DF tinham sido afetados.
 
No início da manhã, os efeitos da paralisação eram sentidos nas grandes cidades principalmente no transporte público e com o fechamento de vias. Somente parte das linhas de ônibus, trem ou metrô funcionavam em capitais como São Paulo, João Pessoa, Curitiba, Maceió e Salvador. No Rio, protestos bloquearam vias da cidade
 

Resumo

·      No Rio, vias foram bloqueadas por manifestantes, e a PM chegou a usar bomba de efeito moral para dispersar protesto, mas o transporte público não parou
·         Em SP, somente algumas linhas do metrô paralisaram, e houve bloqueio de vias importantes por protestos
·         Em Salvador, ônibus foram atacados por pedras
·         Escolas e universidades amanheceram fechadas em locais como Goiás, São Paulo, Sergipe Distrito Federal, Minas Gerais e Pará
·         Até 8h05, 43 cidades de 14 estados tinham registrado protesto
·         Até 8h15, 31 cidades haviam registrado paralisação de serviços em 15 estados e no DF

No Maranhão

Em São Luís, rodoviários do transporte coletivo paralisaram as atividades desde as 4h. Integrantes de sindicatos foram às portas das garagens das empresas para impedir a saída dos ônibus.

Pará

Em Belém, integrantes de sindicatos e movimentos sociais atearam fogo em pneus e bloquearam a avenida Almirante Barroso, na área do entroncamento. Rodoviários também não permitiram que os ônibus saíssem das garagens, apesar de uma decisão judicial ter imposto que ao menos 90% dos veículos circulassem em caso de paralisação.
 
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »