22/07/2017 às 04h34min - Atualizada em 22/07/2017 às 04h34min

Operação conjunta da PM e órgãos fiscalizadores acontece em Canaã

Iniciativa fiscaliza trânsito e estabelecimentos da cidade: 12 motos apreendidas e 2 clubes fechados

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
Fotos: Ricardo Mesquita
Os bairros de Canaã dos Carajás receberam na noite desta sexta-feira (21) e início da madrugada de sábado (22) um comboio de veículos dos órgãos atuantes na Operação Hypinus. A Polícia Militar liderou a iniciativa sob o comando do tenente Guimarães e contou com a presença de representantes da Secretaria de Meio Ambiente, do Código de Postura, da Vigilância Sanitária e da Secretaria de Trânsito e Transporte (Settran)

 
Tudo começou na Avenida Wayne Cavalcante, em frente ao bar Conveniência e dezenas de veículos foram parados, fiscalizados e orientados pelos representantes dos órgãos locais. Alguns condutores, em situação irregular, tentaram fugir, mas as motos da Polícia Militar conseguiram cerca-los e conduzir os veículos para o guincho do Settran. Em um dos casos, o piloto de uma motocicleta conduzia o veículo enquanto consumia bebida alcóolica. A moto foi presa e o condutor levado para a Delegacia de Polícia local para prestar esclarecimento.


 
O Agente de Trânsito, Trânsporte e Rodoviário, Frank, do Settran, falou sobre o objetivo do órgão na operação: “Estamos aqui com o objetivo de fiscalizar os veículos e condutores em situação irregular. Documentos atrasados, condutores sem CNH ou sem capacete. Estamos autuando quem está em situação irregular, apreendendo os veículos e, também, orientando as pessoas da importância de se ter o veículo em dias. E o recado que fica é para que as pessoas façam a coisa correta” concluiu o agente. 12 motos foram levadas para o pátio do órgão e ficarão lá até que seus donos consigam regularizar a situação delas.


 
Saindo do centro, a comitiva foi para o bairro Novo Brasil I. Dois bares foram vistoriados no setor. Em um deles, o som estava com mais decibéis do que o permitido por lei. Os agentes da SEMMA entraram em ação e orientaram o proprietário do bar, senhor Antônio, a reduzir o volume do aparelho. Este não gostou da ordem e pôs a culpa no seu DJ, mas foi orientado de que quem respondia pelo lugar era ele. O subtenente Gonçalves, coordenador de fiscalização do meio ambiente, explicou o trabalho do órgão na operação: “O nosso foco é realmente o volume do som e o horário de funcionamento dos estabelecimentos. Nos dias de sexta-feira e sábado, os lugares devem funcionar somente até às três da madrugada. Já domingo, é até meia noite. Estamos aqui com os fiscais e estamos prontos para autuar quem estiver fora dos padrões. Inclusive residências que estiverem com som mais alto do que o recomendado também serão orientadas a fazer o correto” concluiu. O fiscal da vigilância sanitária, Miguel de Sousa, falou sobre o papel do órgão na operação: “Nós estamos fiscalizando basicamente as questões sanitárias: higienização dos banheiros, conservação dos alimentos, a bebida. Aqui, no caso, não está tudo bem. A situação dos banheiros é muito ruim e o estabelecimento está funcionando sem nenhuma divisória com a residência. Nós vamos solicitar que seja a feita a separação do estabelecimento comercial da residência.”


 
Já no outro bar, uma situação delicada: uma menor foi flagrada ingerindo bebida alcoólica dentro do estabelecimento. Desacompanhada dos responsáveis, a garota tentou se explicar, mas ainda assim o Conselho Tutelar, que não participou da operação de fiscalização por só poder participar em caso de denúncias, foi acionado e conduziu a menor para a delegacia na espera dos responsáveis. A proprietária do bar, Sônia, disse que não viu quando a menor adentrou no estabelecimento, pois foi no justo momento em que estava no banho. Segundo Sônia, não é costumeiro que menores frequentem o lugar. O segurança, ao ser questionado sobre o fato de ter permitido a entrada da menor, disse que não havia chegado ainda para o trabalho, no entanto, ao conversamos com os amigos da menor, eles afirmaram que o segurança já estava de plantão no lugar e que a garota já é figurinha carimbada no lugar em todos os finais de semana. O bar foi fechado e a proprietária foi detida e autuada pelo ocorrido.


 
Saindo do Novo Brasil, a comitiva atravessou a cidade e também fez a fiscalização de veículos no trajeto até o Bairro Santa Vitória, o Motocross. Um bar foi fiscalizado, os festeiros revistados e liberados. Na saída do bar, o senhor Daniel, que bebia desde o fim da tarde e estava visivelmente embriagado, tentou sair com a sua moto antes de ser fiscalizado, mas levou um tombo com o veículo. Ao ser questionado, ele entregou o jogo e deixou bem claro que a moto já tinha quase 4 anos de licenças vencidas, bem como diversas multas. A moto foi presa e o senhor Daniel, apesar de embriagado, concedeu entrevista: “Eu bebi mesmo, não posso mentir. Tenho consciência do perigo que estava correndo. Quanto à moto, isso não importa, tanto faz. Eu tenho condições e compro outra” afirmou. O senhor Daniel seguiu a pé para casa.




 
A comitiva ainda passou pelos bairros Flor de Liz, Jardim América e Novo Horizonte antes de voltar para o centro. Alguns bares de pequeno porte também foram fiscalizados e os clientes também revistados. De lá, partiram para as Casas Populares. A equipe do tenente Guimarães, ao encontrar casas abandonadas, revistou minuciosamente as residências, cômodo após cômodo na busca de ocupantes indesejáveis. As casas estavam sem as janelas e sem as portas, estas saqueadas. Nada foi encontrado nos lugares.




 
Enquanto as equipes se reuniam para o agradecimento final na quadra poliesportiva do bairro, uma denúncia de última hora chegou para o tenente Guimarães. O senhor Antônio, que já havia sido orientado a abaixar o volume do som de seu bar, estava novamente tocando a festa com o volume alto. Toda a equipe se dirigiu para lá mais uma vez e a festa foi encerrada sob protestos do proprietário. O tenente advertiu o senhor Antônio e disse que na próxima vez o som seria preso, caso ele desobedecesse as normas.


 
O comandante da PM em Canaã falou sobre a operação: “Por determinação do comando do 23º batalhão, a Operação Hypinus foi deflagrada nos municípios subordinados ao batalhão: Canaã, Curionópolis, Eldorado e Parauapebas. Essa operação está ocorrendo simultaneamente nesses municípios. O saldo foi muito positivo e o que me deixou satisfeito é que a maioria dos estabelecimentos está respeitando o volume do som. No entanto, sempre temos problemas: encontramos estabelecimentos com som alto e presença de uma menor. O Conselho Tutelar fez a autuação da proprietária e vai repassar a questão da promotoria, da justiça, os procedimentos do Conselho. Essas operações vão acontecer com certa frequência, de acordo com a mancha criminal do município” concluiu.
 
INSTRUÇÕES PARA RETIRADA DE VEÍCULO RETIDO NO PÁTIO DA SETTRAN:
 
1 - A liberação de veículo será ao seu proprietário ou representante legal, através de procuração registrada em cartório;
 
2 - Regularizar as pendências e os equipamentos obrigatórios do veículo;
 
3 - Apresentar os seguintes documentos:
 
• Cópia e original do (CRLV - Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos);
 
• Cópia e original do CPF, RG ou CNH do proprietário ou procurador;
 
• Cópia e original do comprovante de residência atualizado do proprietário ou procurador;
 
• No caso do veículo estar em nome de pessoa jurídica é necessário cópia autenticada do contrato social da empresa;
 
• Ofício da delegacia autorizando a liberação (em caso de acidente com vítima).
 
• Pagamento do Boleto referente à remoção e a diária do pátio
 
4 - Caso o veículo não seja retirado dentro do prazo de 60 dias o mesmo será avaliado e levado a leilão.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »