17/01/2019 às 11h27min - Atualizada em 17/01/2019 às 11h27min

Trump revela nesta quinta nova estratégia antimísseis

EUA enfrentam ameaça de novos armamentos de China, Rússia, Irã e Coreia do Norte. Pentágono lançará ainda um estudo sobre a criação de um novo sistema de interceptação.

- Jornal In Foco
G1
Donald Trump, presidente dos EUA, fala a jornalistas — Foto: Leah Millis/Reuters
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revelará nesta quinta-feira sua nova estratégia de defesa antimísseis, desenhada para enfrentar a ameaça representada pelos novos armamentos de China, Rússia, Irã e Coreia do Norte.
 
Trump irá ao Pentágono para apresentar uma análise encomendada em 2017 e aguardada há meses, informaram funcionários americanos.
 
No documento do Pentágono detalha os novos projetos para proteger os Estados Unidos dos novos mísseis hipersônicos de China e Rússia, que podem se deslocar a mais de 5.000 km/h e manobrar, sendo quase impossíveis de interceptar.
 
Os Estados Unidos querem monitorar a trajetória destes mísseis graças a sensores especiais, modernizando ferramentas que já estão no espaço, destaca o documento.
 
O Pentágono lançará ainda um estudo sobre a criação de um novo sistema de interceptação, com uma espécie de drone equipado com mísseis capaz de permanecer na órbita terrestre para destruir mísseis hipersônico hostis em seu apogeu.
 
A nova estratégia de defesa também está voltada para os mísseis balísticos de Irã e Coreia do Norte, vetores menos sofisticados mas capazes de ameaçar diretamente os aliados dos Estados Unidos na Europa e no Japão, na qual o Pentágono explora outra opção: destruí-los logo após o lançamento.
 
Os sistemas de defesa atuais são voltados para a destruição dos mísseis em pleno voo e caso consigam neutralizá-los ainda na fase de aceleração, os Estados Unidos reforçarão a defesa de seus aliados e a dissuasão.
 
Neste sentido, o Pentágono analisa equipar com um novo tipo de míssil os caças 'invisíveis' F-35 para patrulhar as zonas de lançamento, por exemplo, durante um hipotético conflito com a Coreia do Norte.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »