19/04/2018 às 11h49min - Atualizada em 19/04/2018 às 11h49min

​Represas que romperam durante enxurrada em Paragominas eram clandestinas

Segundo o Crea-PA, não há nenhum registro de construção das barragens, documento obrigatório para garantir a segurança das construções. 40% da cidade ficou alagada e duas crianças morreram.

- G1 PA, Belém
g1.globo.com
As represas que romperam durante a enxurrada que alagou 40% da cidade de Paragominas, sudeste do estado, há uma semana, eram clandestinas. De acordo com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Pará (Crea-PA), não há qualquer registro de Anotação de Responsabilidade Técnica das barragens construídas na cidade, documentação obrigatória para garantir a segurança de qualquer tipo de obra.
 
“As barragens, tanto naturais quanto as construídas, têm influência, não deram causa [ao desastre], mas têm influência, assim como todas as outras situações de risco que ocorrem”, diz Marcelo Santos, comandante da Defesa Civil do Estado.
 
Após uma semana famílias ainda não foram retiradas das áreas de risco em Paragominas
Em apenas uma hora, choveu 110mm causando alagamentos por vários bairros na cidade, no último dia 12. Mais de 50 famílias perderam suas casas e estão recolhidas em escolas e abrigos. Duas crianças morreram. Cerca de 30 famílias que perderam tudo e não estavam em área de risco devem receber o auxílio do estado e prefeitura. Outras dez que moraram em situação de risco continuam em abrigo.
 
A Prefeitura de Paragominas não divulgou quantas barragens romperam, mas informou que algumas existem há mais de 30 anos e não têm licença para funcionar. “Não podemos ficar omissos a isso. Vamos buscar duas coisas: primeiro, a responsabilização dos proprietários, e segundo, o cuidado para que não aconteça novamente”, diz Paulo Tocantins, prefeito de Paragominas.
 
Casas ficaram submersas após enxurrada em Paragominas (Foto: Reprodução/TV Liberal) Casas ficaram submersas após enxurrada em Paragominas (Foto: Reprodução/TV Liberal)
Casas ficaram submersas após enxurrada em Paragominas (Foto: Reprodução/TV Liberal)
 
A Secretaria Municipal de Meio Ambiente informou que fez o levantamento das propriedades que tiveram o rompimento de barragens próximo as nascentes dos rios Uraim e rio Paragominas para aplicação das sanções. Também foram embargadas e proibidas de reenchimento. Além disso, foi feita vistoria técnica em outras barragens que não se romperam e determinou-se o esvaziamento de todas elas de forma gradual e segura, portanto, não há perigo de novos rompimentos.
 
O Governo do Estado enviou para o município, equipes da Companhia de Habitação do Pará (COHAB) para mobilizar recursos financeiros para a reconstrução e reforma de casas para a população que foi atingida através do Cheque Moradia. Enviou também uma equipe da Secretaria de Estado de Assistência Social (SEASTER) para realizar um levantamento para a concessão do benefício eventual no valor de um salário mínimo por 3 meses.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »