01/06/2017 às 03h29min - Atualizada em 01/06/2017 às 03h29min

“Canaã dos Carajás tem alguma coisa errada”

Frase marcante do vereador Wilson Leite marca a 16ª Sessão do legislativo canaense

Kleysykennyson Carneiro - Jornal In Foco
A 16ª Sessão do legislativo de Canaã dos Carajás já estava no fim quando o vereador Wilson Leite (PDT) deixou no ar uma das mais marcantes e sugestivas frases já ditas em tribuna na Câmara de Vereadores este ano. O pedetista utilizou os seus cinco minutos das Considerações Finais para fazer uma reflexão sobre a grande oportunidade de se estar vivo lembrando das mortes de Diego Alemão, prefeito de Breu Branco, e de Noel Cirilo, pioneiro canaense morto na última segunda-feira vítima de um infarto.
 
Na sequência, o vereador fez uma breve análise econômica da cidade: “Temos um pouco mais de R$ 10 milhões que são pagos em folha, destes recursos, 30% são, mais ou menos, direcionados para o pagamento das prestações de lotes para as imobiliárias locais, isso é algo em torno de R$ 3 milhões. Além disso, temos ainda um outro problema: os famosos empréstimos consignados, que eu considero uma ‘colheita antecipada’, e que levam mais 30% consigo, ou seja, mais R$ 3 milhões. Isso quer dizer que, ao invés de termos R$ 10 milhões circulando no nosso comércio, temos apenas R$ 4 milhões, já que R$ 6 milhões ficam nas mãos das imobiliárias e de agentes financeiros”. Segundo Wilson Leite, os empresários locais sofrem com isso, já que os “agentes financeiros”, que ficam com boa parte da arrecadação, não investem dinheiro no município. “No entanto, disso estamos falando de economia privada e cada um faz com o seu dinheiro o que bem quer, eu gostaria de me reportar a respeito do dinheiro público no que cabe à secretaria de saúde, à secretaria de habitação, à secretaria de promoção social que não têm nada a ver com o montante dos R$ 10 milhões de folha e que recebem recursos carimbados do governo municipal, estadual, federal e que são para fazer a coisa andar, fluir e que, infelizmente, a culpa é da crise.” O legislador falou da reclamação de alguns secretários a respeito da porcentagem da economia do município que fica nas mãos de imobiliárias: “Esse dinheiro que eles falam não tem nada a ver! Esse dinheiro é particular, que cada um faz dele o que quer... O que quero me referir é o dinheiro dos órgãos públicos que deveriam servir para que eles funcionassem.” O vereador citou o exemplo de alguns municípios do Sul do Pará que possuem bem menos receita e que conseguem ter uma gestão pública mais eficiente, foi nesse momento que a célebre frase foi dita: “Canaã dos Carajás tem alguma coisa errada!” Segundo ele, a cidade tem pouco mais de 50 mil habitantes, uma receita média de R$ 20 milhões e dificuldades para evoluir. “A coisa não funciona! Vão parar as cirurgias no hospital, diminuir hora extra de funcionários, poucos quilômetros de estradas vicinais, em comparação a outros municípios, a escola da Jerusalém agora que inventaram um ‘gato na monofásica’ para funcionar...” Por fim, Wilson Leite encerrou a sua fala com a frase: “Mamãe, me cutuca pelo amor de Deus”. O pronunciamento foi aplaudido pelo público presente.
 
Logo em seguida, João Nunes (PMDB) disse ser grato a Deus pela presença das imobiliárias no município, pois só assim conseguiu comprar os lotes que possui, já que não teria condições de compra-los a vista. “É como um carro, pouca gente tem condição de comprar o bem a vista, por isso parcela e vai usufruindo” disse ele. Segundo João Nunes, as imobiliários possuem a sua margem de lucro, mas é bem melhor pagar a parcela do que pagar aluguel. “Com isso o comércio cresce também, pois nós temos visto, ao longo dos anos, o aumento na quantidade de casas de materiais para construção e isso veio graças ao trabalho das imobiliárias e das pessoas que compraram os lotes para construir” afirmou. O peemedebista rebateu ainda a fala do colega Wilson Leite sobre a arrecadação municipal e disse que Canaã tem mais despesas, proporcionalmente, do que outros municípios: “Fala-se muito na receita de R$ 15, 20 milhões do município, mas só R$ 10 milhões são de folha e isso já é uma preocupação do governo. Nós precisamos expandir o trabalho na zona rural, construir para que as pessoas tenham cada vez mais oportunidades” disse ele. João Nunes encerrou a sua fala dizendo que muitos criaram expectativas grandes sobre as empresas e que o poder público ficou sobrecarregado, já que as empresas foram embora e disse acreditar que dias melhores virão para a cidade.
 
Projetos de lei e de resolução
 
A sessão foi marcada ainda pela discussão e aprovação unânime dos seguintes projetos:
 
Projeto de Lei Nº 011/2017 que autoriza o poder executivo municipal a firmar cooperação com municípios vizinhos visando a manutenção de estradas vicinais que dão acesso ao Assentamento Marajaí dos Carajás.
 
Projeto de Lei Nº 013/2017 de autoria do vereador Wilson Leite que dispõe sobre a nomeação da Praça do Novo Brasil.
 
Projeto de Resolução 04/2017 que dispõe sobre a desfiliação da União de Vereadores do Brasil.
 
Projeto de Resolução 03/2017 que dispõe sobre a desfiliação à Associação Brasileira de Câmaras Municipais -  ABRACAM.
 
Indicações ao Executivo
 
As indicações ao executivo de autoria do vereador João Nunes e do vereador Junior Garra (PR) também foram aprovadas por unanimidade na casa de leis. A indicação do peemedebista solicita ao governo a construção de uma nova casa de acolhimento para o menor infrator na cidade. Já a indicação de Junior Garra, pede ao executivo que proceda a concessão de Adicional de Periculosidade aos Fiscais Ambientais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente – SEMMA.
 
Moção de repúdio
 
A Moção de repúdio de número 001/2017, de autoria da mesa diretora da Câmara Municipal, em desfavor aos funcionários da empresa PROSEGUR também foi discutida e aprovada de forma unânime pela casa.
 
A Moção ainda trata dos acontecimentos registrados 2 meses atrás, quando seguranças da empresa agrediram produtores rurais da cidade.
 
Homenagens a Noel Cirilo
 
Todos os vereadores que usaram a tribuna na sessão fizeram breves homenagens ao pioneiro canaense. O público fez 1 minuto de silêncio em memória àquele que, para muitos, foi um exemplo de caráter e de cidadania.

Ausência

O vereador Anderson Mendes (PTB) que levantou uma série de polêmicas contra o governo nos últimos dias não compareceu à sessão. O legislador também não foi visto na audiência pública para elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias e nem na 15ª Sessão. 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »